As dicas de Maurício Benvenutti

O time que eu tenho dita a empresa que eu sou!



Para encerrar a 9ª edição do Circuito de Negócios do ConstruSete, no dia 28 de setembro/2020, foi convidado o sócio da StartSe, autor do best-seller “Incansáveis” e ex-sócio da XP Investimento, Maurício Benvenutti, que mora no Vale do Silício há cinco anos.

Ele começou afirmando que não é a tecnologia que faz o Vale do Silício ser o que é. São as pessoas! “Essencialmente, aquele lugar é feito de gente”. E o motivo que faz as empresas terem sucesso ou não nesse processo de transformação digital é o mesmo: as pessoas. “Qualquer ambiente que envolva transformação, estamos falando muito mais de transformação do indivíduo”. E ainda sobre esta questão, Benvenutti garante: “Primeiro forme um time e depois uma empresa”.

Para exemplificar o momento pelo qual todos passam hoje, uma era em que várias inovações estão chegando juntas, de uma só vez, ele cita que a tecnologia está fazendo pelo nosso cérebro a mesma coisa que as máquinas a vapor fizeram pelos nossos braços na Revolução Industrial.


O que temos que fazer para manter nossas empresas?

Para responder ao questionamento, Benvenutti compartilhou cinco competências que são executadas de uma forma invejável no Vale do Silício:


1- Causar impacto

Para isso, nunca foi tão necessário e importante ter propósito. Quando ele é vivo, visto e falado, funcionários, clientes e investidores passam a acreditar no que você acredita, a sonhar o que você sonha e a amar o que você ama.

Entre as regrinhas, ele destacou a melhoria da qualidade de vida das pessoas; a correção rápida do que está errado – se encontrou um erro ou uma falha, não deixe para corrigir amanhã, porque se você não fizer isso, o mercado vai corrigir; e prolongar o certo - fazer as coisas boas/certas terem vida longa.


2- Olhar a próxima curva

Atualizar o nosso modelo de negócios para atender as necessidades das pessoas.


3- Questionar ao invés de ter a resposta pronta

Se não assumirmos uma atitude questionadora, a chance de ficarmos para trás é muito grande. A normalidade nunca mudou e nunca vai mudar nada. O que faz as pessoas ficarem com a marca da minha empresa são as novas experiências.

Repetição não cria memórias. Novas experiências, sim.


4- Fazer COM as pessoas (e não para as pessoas)

Quando as pessoas são envolvidas no projeto, elas passam a se sentir tão parte dele quanto você; passam a se sentir tão donas do projeto quanto você e, quando isso acontece, elas acreditam no que você acredita, sonham o que você sonha e amam o que você ama. E aí passam a compartilhar a mesma visão que a sua.


5- Ser diverso

A diversidade de pensamento é fundamental. Se expor a situações que tiram você da zona de conforto.

E sabe o que é mais interessante?

Nessas 5 competências, cadê a tecnologia? O que faz de fato uma empresa ser única é a atitude de quem está por trás dela.

Benvenutti encerrou sua apresentação citando a frase do escritor e futurista norte-americano, Alvin Toffler, conhecido pelos seus escritos sobre a revolução digital, a revolução das comunicações e a singularidade tecnológica:

“Os analfabetos do século 21 não são aqueles que não sabem ler ou escrever. Mas aqueles incapazes de aprender, desaprender e aprender de novo”.

69 visualizações